Quando o amor parece utópico

dezembro 08, 2016


Vez ou outra me pego nas redes sociais - em especial, o Facebook -, onde há em massa dois tipos de pessoas: os que reproduzem preconceito e os que lutam contra ele. Sobre os que reproduzem, não tenho muito a dizer, será óbvia a minha visão, mas sobre os que lutam... Tenham cuidado! Temas como homossexualidade, classe social, raça e aparência são bastante defendidos no que diz respeito às minorias que sofrem preconceito, mas você já parou para pensar se a forma como você lida com isso está correta?

Hoje me deparei com um vídeo de uma maquiadora conhecida por lá. Ela é ruiva, linda e cheia de sardas, coisas que são supervalorizadas hoje em dia - o chamado padrão. Lá, ela escreve coisas no rosto como feia, sardenta e coisas que inferiorizam quem tem a carinha enferrujada, como eu e as transforma em uma bela maquiagem. Nos comentários, só vi coisas como ''se fosse gorda, veria o que é preconceito'', ''coitada, quantos likes essa guerreira merece?'', ''mal sabe o que é ser negra e sofrer preconceito''. E, tudo bem, concordo que o que citei anteriormente é histórica e socialmente muito pior, sem dúvidas! Mas essa pessoa compartilhou isso no próprio perfil, onde ela tem direito de se expressar sobre o que quiser. E mais: a vida não se baseia em uma hierarquia de sofrimento onde quem sofre mais tem a razão sobre quem sofre menos. Ela pegou o que provavelmente diminuiu a autoestima dela em algum momento da vida - falo porque já passei por isso - e transformou em algo belo, que muitos valorizam, como uma maquiagem. É uma mensagem de empoderamento? É! E ela fez como pôde fazer. Assim como uma negra ou uma gorda - o que mais vi nos comentários - poderia fazer e seria aclamada. 

Claro que sofrer preconceito sendo ainda sim alguém que se encaixa nos padrões não merece ser dramatizado, mas também não merece ser humilhado. Antes de grupos sociais, somos seres humanos, únicos, cada um com a sua vivência e temos que respeitar uns aos outros. Sofrer preconceito não lhe dá o direito de reproduzi-lo. E falo isso pois é o que mais vejo na internet. 

Não vim aqui para discutir temas como apropriação cultural ou desenvolvimento de certas questões ao longo dos anos, e definir o que é certo e errado. Garanto que a minha opinião é igual à da maioria que se adentra no campo da defesa pela igualdade. Estou aqui para dizer que você não se tornará uma pessoa melhor por defender umas causas e diminuir outras. A minoria deve ser vista e ouvida sim, mas o respeito deve ser mútuo. Seres humanos não são grupos e não deveriam ser vistos como tal, pois é daí que nasce a injustiça.

Enquanto casos como esse continuarem pela internet e na mente das pessoas, a única certeza que tenho é de que a intolerância será disseminada e que a tão sonhada igualdade, independente do âmbito, será apenas uma ilusão. A vida não deveria ser um jogo de interesses, deveria ser um jogo de amor.

3 Comentários:

  1. Estava aqui arrumando a fonte do seu blog e me deparei com esse texto incrível! Concordo contigo em número, gênero e grau. Sempre maravilhosa nas reflexões hahah ♥

    ResponderExcluir
  2. Que belo texto, é um tipo de visão que falta nas redes sociais. Acho que isso ocorre pela rivalidade anímica humana. As vezes existe discussão não para defender algo, e sim para ofender o outro.
    Obs. A última frase é demais!

    ResponderExcluir

Diga-nos o que achou do post.